PLANTANDO DÁ, SIM

RECICLAR É PRECISO

RECICLAR É PRECISO
RECICLAR É PRECISO. O MAIS, SERÁ PRECISO? Viver com alegria é viver em paz e harmonia. É olhar com a alma, observar com o coração, agir em conformidade com a natureza. Somos tanto mais necessários quanto mais úteis, em equilíbrio com o todo. Somos um; você sou eu e tudo o que o afeta, afeta a mim, também.

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

VAMOS LÁ! CLIQUE PARA SEGUIR!

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

UM PASSEIO AO GUARAÚ: VOCÊ JÁ FOI À JUREIA? UM LUGAR PARA CONHECER E SE APAIXONAR

Depois  de muito recomendado pelos amigos, afinal fomos conhecer o Guaraú. 

Praia de Peruíbe, região de preservação ambiental (veja o pórtico que inaugura a estrada de acesso), não deve nada às praias do litoral norte. 

Segue-se por uma estradinha com duas mãos: uma para... (clique em "mais informações" para ler mais)
seguir em frente, outra para voltar, sem acostamento, serpenteando uma escarpa em floresta: a quinhentos metros, a prainha, que apenas avistamos (maravilhosa, há uma ilha que pode ser alcançada a pé ou a nado); com cinco quilômetros, chegamos ao Guaraú. 

Mas se você quer conhecer a Juréia, mesmo, e a comunidade que ali vive, tem que percorrer vinte e dois quilômetros, incluindo uma via sem asfalto ou calcamento. Vale a pena.
Pontuam a mata bordadeira chácaras pitorescas, em comunhão com a paisagem. 
Sobressai o Pau do Índio, casebre rústico, que serve tapioca a qualquer hora,"Basta chamar o Índio". 
Mais adiante, artesãos, integrados à natureza, que vendem também frutos da terra, naturalmente sem agrotóxicos.

O  destino, desta vez, foi o Guaraú. Mais perto do centro de Peruíbe, tem mais infraestrutura do que a Juréia: esta, mais distante, tem apenas alguns moradores que já estavam ali quando implantado o sistema de conservação; o Guaraú tem alguma infraestrutura, embora o comércio se restrinja a bares, que anunciam música ao vivo, restaurantes e pousadas. 
Lembra Maresias, sem a agitação do centro da cidade, até chegar à praia. 
Morros verdejantes, construções poucas e rústicas, e um comércio voltado ao turista que curte praia e isolamento.
Por falar em natureza e isolamento, ali chegando havia poucas pessoas, algumas praticando ioga ou quase isso. 
Era manhãzinha e adiante um casal mantinha-se de ponta cabeça. Curiosidade.
Caminhamos, caminhamos, e conferimos: estavam em pé (não de ponta cabeça), no cumprimento ao sol mais longo que já vi (de braços levantados). Original.
Habitantes? Muitos, muitos caranguejos coloridos e grandes. E gaivotas, que dormiam perfiladas na praia. Amplie a foto ao lado para observar melhor.
Cruzamos toda a praia, maravilhosa, até um rio, bordado, nesta margem, por pedras, e na outra, por morros e mata nativa.
Nas pedras, mais caranguejos, que filmei.
Filmo, me encanto, até que o marido grita: "Sai! Sai, Glória!"

Borrachudos. Montes deles, cobrindo nossas pernas. Desavisados, não nos protegemos com repelente.
Quase correndo, cruzamos toda a praia, de volta, e paramos em um restaurante muito lindo, para pedir uma cerveja e uma pinga, esta para passar nas picadas. 
Tinham álcool, que  ofereceram, e uma mesa liiiiiiiinda, decorada para o Natal.
Sem Natal, nem nada. Queríamos um banho e pomadas antialérgicas (compradas na volta para casa), para remediar. 
O saldo foi dois dias de feridas e inchaço, além da lembrança de um lugar paradisíaco, pertinho  de casa.
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.
Gostou? Faça uma visita aos blogs. É só clicar nos links:
Esteja à vontade para perguntar, comentar ou criticar.
Um abraço!
Thanks for the comment. Feel free to comment, ask questions or criticize. A great day and a great week! 

Maria da Glória Perez Delgado Sanches
Postar um comentário

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.
Ser feliz é uma opção e você é livre para viver a vida. Escolha seu sonho. Vale a pena.

QUEM SOU EU

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

ARQUIVO DO BLOG